quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Sesa confirma 11 casos de febre amarela silvestre no Estado

Até o dia 30 de janeiro, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) recebeu 45 notificações de suspeita de febre amarela. Duas notificações foram descartadas. Do total de 43 casos, 11 foram confirmados para febre amarela silvestre, sendo que dois casos evoluíram para óbito (Ibatiba e Pancas), sete pacientes receberam alta hospitalar e dois estão internados com quadro estável. Os dados foram atualizados na manhã desta terça-feira (31) pelo secretário de Estado da Saúde, Ricardo de Oliveira, em entrevista concedida à imprensa na sede da Sesa, na Enseada do Suá, em Vitória.

Foto: Fred Loureiro/Secom
Os casos confirmados são de moradores de Ibatiba (05), Baixo Guandu (01), Brejetuba (01), Colatina (01), Conceição do Castelo (01), Itaguaçu (01) e Pancas (01). Com isso, há 32 casos em investigação com quadro indicativo também de leptospirose, febre maculosa, dengue e outras doenças com sintomas semelhantes. O secretário salientou que todos os casos registrados até o momento no Espírito Santo são de pessoas residentes em áreas rurais e que a transmissão ocorreu em área de mata.

Oliveira comentou que a febre amarela é um problema que precisa ser enfrentado por toda a sociedade e que é necessário ter tranquilidade em vez de pânico. “Temos buscado conduzir essa situação da forma mais responsável possível, sem ceder ao pânico infundado. É claro que estamos num momento de preocupação, mas estamos conseguindo administrar a proteção à saúde das pessoas”, disse o secretário.

O virologista Pedro Fernando da Costa Vasconcelos, um dos maiores especialistas em febre amarela do mundo, está no Espírito Santo, a convite da Secretaria de Estado da Saúde, para acompanhar as ações de enfrentamento contra a doença. Além de diretor do Instituto Evandro Chagas (IEC), no Pará, ele ocupa posições em diversas outras instituições no Brasil e no exterior, e participou diretamente do isolamento e da caracterização de mais de 10 mil cepas de vírus e da identificação de mais de 100 vírus novos para a ciência.

Na avaliação do especialista, o Espírito Santo está no caminho certo, adotando as medidas necessárias para evitar o avanço da febre amarela para a área urbana. “Acredito que o risco de urbanização da doença é quase nulo”, comentou Vasconcelos, que realizará uma visita à Ibatiba ainda nesta terça (31) e ministrará uma palestra para profissionais de saúde amanhã, em Vitória.


Total internados 14

Estáveis: 12

Graves: 02


Confirmados 11

Alta hospitalar 21

Descartados 02

Óbitos 08 

Total de notificações 45


Vacina

Nesta terça (31), a Sesa recebe mais 700 mil doses de vacina contra febre amarela. As vacinas serão enviadas para as Regionais de Saúde nesta terça e estarão disponíveis para retirada pelos municípios na quarta-feira (1º). Outras 300 mil devem chegar até sexta-feira (03). Este 1 milhão de doses será destinado à ampliação da vacinação cautelar no Estado e para os viajantes dos demais municípios. Com isso, totalizam 2 milhões de doses de vacinas enviadas ao Estado pelo Ministério da Saúde desde o dia 19 de janeiro.

Durante a entrevista concedida à imprensa, o secretário de Estado da Saúde também informou que deve solicitar mais 500 mil doses da vacina. O objetivo é reforçar o estoque dos municípios que estão vacinando quem precisa viajar para áreas de risco, inclusive dentro do Espírito Santo. “Entendemos que muitas pessoas têm parentes no interior. Já estamos conversando com o Ministério da Saúde para atender a essa necessidade, que não é imediata, mas é importante. A prioridade é vacinar toda a área de floresta. Alguns municípios nem registraram morte de macaco por suspeita de febre amarela, mas têm área de floresta, por isso estão recendo a vacinação”, explicou Oliveira.

Os 60 municípios que estão realizando vacinação cautelar são: Água Doce do Norte, Alto Rio Novo, Baixo Guandu, Barra de São Francisco, Brejetuba, Divino de São Lourenço, Dores do Rio Preto, Guaçuí, Ibatiba, Ibitirama, Irupi, Iúna, Laranja da Terra, Mantenópolis, Montanha, Mucurici, Pancas, Afonso Cláudio, Ecoporanga, Colatina, Itaguaçu, Governador Lindenberg, Conceição do Castelo, Venda Nova do Imigrante, São Roque do Canaã, São Gabriel da Palha, Marilândia, Domingos Martins, Itarana, Santa Teresa, Castelo, Iconha, Muniz Freire, Águia Branca, São Domingos do Norte, Santa Leopoldina, Santa Maria de Jetibá, Alegre, Apiacá, Atílio Vivácqua, Bom Jesus do Norte, Cachoeiro de Itapemirim, Fundão, Ibiraçu, Jerônimo Monteiro, Mimoso do Sul, Muqui, Nova Venécia, Ponto Belo, Rio Bananal, Rio Novo do Sul, São José do Calçado, Sooretama, Vila Pavão, Vila Valério, Vargem Alta, Marechal Floriano, Viana, Alfredo Chaves e João Neiva.

A orientação da Sesa é que os municípios que estão realizando vacinação cautelar vacinem primeiro quem mora na zona rural e depois as pessoas que residem na área urbana. Para o restante do Estado, a recomendação de vacinação continua a mesma: apenas pessoas que vão viajar para regiões silvestres, rurais ou de mata localizadas em áreas de risco para febre amarela, inclusive nestes municípios do Espírito Santo que estão realizando a vacinação cautelar.

Quem for viajar para áreas rurais, a Sesa orienta que utilize roupas que protejam contra picadas de insetos, como blusas de mangas compridas, calças e sapatos fechados, e que use repelente ou vacine-se com no mínimo 10 dias de antecedência, caso seja a primeira dose.


Especialista em febre amarela

Pedro Fernando da Costa Vasconcelos é graduado em medicina pela Universidade Federal do Pará, doutor em Medicina e Saúde pela Universidade Federal da Bahia e pós-doutor pelo Centro Médico da Universidade do Texas, em Galveston, nos Estados Unidos. Desde 1998 é diretor do Centro Colaborador da Organização Mundial de Saúde (OMS)/Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) para Pesquisa e Referência em Arbovírus e coordenador do Laboratório de Referência Nacional de Dengue, Febre Amarela, Chikungunya, West Nile e outras arboviroses, ambos sediados no IEC. É coordenador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Febres Hemorrágicas Virais (INCT-FHV) do IEC. Tem mais de 220 artigos e de 50 capítulos publicados em periódicos e livros científicos no Brasil e no exterior.


Doação de sangue

O Hemocentro do Estado do Espírito Santo (Hemoes) pede o apoio da população para doar sangue. Quem tomou a primeira dose da vacina contra febre amarela ou a dose de reforço – que é aplicada dez anos após a primeira – deve aguardar 30 dias para doar sangue.


SHARE THIS

Author:

Etiam at libero iaculis, mollis justo non, blandit augue. Vestibulum sit amet sodales est, a lacinia ex. Suspendisse vel enim sagittis, volutpat sem eget, condimentum sem.

0 comentários: