quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Whatsapp pode sair do ar a qualquer momento. Entenda o motivo


Juiz da Central de Inquéritos de Teresina (PI) determinou que uma empresa de telefonia suspenda o acesso ao aplicativo WhatsApp por uma série de processos que correm em segredo de Justiça

O juiz Luís Moura Correia, da Central de Inquéritos da Comarca de Teresina (PI), determinou que a operadora Vivo suspenda temporariamente o acesso ao aplicativo de mensagens WhatsApp e todos os seus domínios no Brasil inteiro.
De acordo com uma revista de circulação nacional, os serviços do aplicativo de mensagens deverão ficar fora do ar até o cumprimento da ordem judicial, que vigora em caráter de urgência no prazo de 24 horas.
A medida desagradou as empresas de telefonia, que lutam para cassar a decisão judicial antes que sejam obrigadas a cumpri-la.

Como o processo corre em segredo de Justiça, não é possível saber os motivos que levaram o juíz a dar o parecer. As empresas lutam para cassar a decisão do juiz antes de ser obrigada a cumpri-la. A empresa foi comunicada da decisão judicial no dia 19 de fevereiro por meio de um ofício do delegado Éverton Ferreira de Almeida Férrer, do Núcleo de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Piauí.
COMUNICADO O ofício comunica que a decisão é relativa a um inquérito  policial datado de 2013 e que o Whatsapp teria se negado a ceder informações para a polícia. "A ordem judicial foi expedida em virtude de anterior descumprimento, por parte do provedor de aplicação de Internet WhatsApp, de outras determinações de caráter", diz a nota divulgada pela Polícia Civil.
SUCESSO Em pouco mais de quatro anos de vida, o aplicativo concentra 600 milhões de imagens por dia, que são enviadas.
O valor pago pelo Facebook foi de US$ 16 bilhões, o equivalente ao produto interno bruto (PIB) de 22 países.
 fonte: em.com.br


SHARE THIS

Author:

Etiam at libero iaculis, mollis justo non, blandit augue. Vestibulum sit amet sodales est, a lacinia ex. Suspendisse vel enim sagittis, volutpat sem eget, condimentum sem.

0 comentários: